sexta-feira, 10 de julho de 2020

RIP, Display.Land


E, de repente, de um segundo para o outro, toda uma vertente deste projeto foi ao ar. Por aqui investimos muito na captura 3D com a app Display.land. Conseguia o impossível - tornar a fotogrametria simples e acessível. O potencial era enorme. A nível pessoal, fascinava pela forma como dava acesso, no telemóvel, a novas maneiras de ver, de capturar o real, de formar memórias digitais. E no educativo, era uma fantástica ferramenta para incorporar em projetos interdisciplinares ou para ensino profissional.

Para mim, o mais fascinante na fotografia é a capacidade de captar os momentos fugazes. É por isso que os dispositivos móveis são interessantes. São acessíveis, estão sempre disponíveis, discretos, e entre lentes e algoritmos, conjugado com algum saber sobre fotografia tradicional, conseguem-se imagens surpreendentes. O salto para o 3D aumentava o espectro de possibilidades. As memórias digitais, agora com profundidade.

Em termos educacionais, havia imenso que se poderia fazer com esta app. Trabalhar em projetos de património digital, criar recursos 3D para jogos e animação, explorar as fronteiras artísticas potenciadas por esta tecnologia. E, claro, uma nova forma de trabalhar a impressão 3D.

Inexplicavelmente, ao fim de oito meses de uso intensivo, crescimento de utilizadores, e melhorias constantes, a empresa por detrás desta app decidiu terminar. Sem mais explicações do que um difuso "teremos novidades no futuro". É uma situação muito estranha, uma vez que não há notícias sobre eventual falência da Ubiquity6, nem anúncios de alternativas concretas. Provavelmente ficaram sem financiamento, ou acharam que a app não estava a monetizar tão rapidamente quanto queriam (mas isso poderia ser minorado com algum modelo de subscrição). A comunidade ficou sem saber o que terá levado à decisão de abandonar a app. Regressará no futuro, como elemento de outras aplicações? A sua tecnologia, muito avançada na captura e processamento de 3D, vai-se perder?

Já não é a primeira vez que fico queimado com este tipo de problemas. Já me aconteceu com aplicações vindas de gigantes - a Autodesk dinamizou mas depois eliminou aplicações excelentes como a 123D Catch (veio dai o meu gosto pela fotogrametria em dispositivos móveis) ou o excelente modelador 3D FormIt (era, na prática, um Sketchup para Android). Quando desaparecem, perde-se. Perde-se o trabalho desenvolvido, perde-se as perspetivas, perde-se conhecimento. Quando a Display.land surgiu, uma das minhas primeiras questões era tentar perceber se a aposta dos seus criadores era de longo prazo, e tudo indicada que sim. Toda a comunidade de utilizadores ficou chocada e surpreendida com esta decisão inesperada.

Olho para todo o material que já produzi, tutorias, guias, e penso, agora é inútil. Um workshop que avançava as fronteiras do que se poderia fazer em TIC, perdido (bem, pelo menos conseguiu-se fazer um). Projetos pensados para os alunos, perdidos. E a nível pessoal, o gosto pela captura do real com fiabilidade, agora novamente perdido. Confesso que estou irritado. Há algumas alternativas para Android, mas que não tinham a simplicidade, fiabilidade e capacidade da Display.land.

Mais uma excelente ferramenta que se extingue, de forma inqualificável.

Sem comentários:

Publicar um comentário