quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Instantes



Vamos aprender a programar? Esta é a semana de alunos de quinto ano, e começam os desafios: criar um pequeno algoritmo para animar um personagem.


A colaborar com o concurso IndieX, imprimimos os troféus para este concurso de jogos de computador.


As surpresas com que os nossos alunos nos mimam no clube de robótica.


Dar os primeiros passos com o Robot Anprino.


Aquece o coração chegar à biblioteca e ver alunos nossos a usar o Code.org... só porque gostaram.


Um dos projetos do Clube que está a avançar mais, criado por um aluno muito determinado.


LEDs e Anprinos?


Outro projeto de aluna de Robótica, uma casa para viver em Marte.


Das coisas incríveis com que os nossos alunos nos surpreendem. Puxou do telemóvel e diz "sabe, aquele pássaro que você dizia que não se conseguia modelar aqui? está ao pé da garça".

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Anprino LeMans...


... ou pisca-pisca, ou luminoso, ou o que lhe quiserem chamar. Estão publicadas na página do Robot Anprino as peças para imprimir em 3D que permitem adaptar LEDs grove ao Anprino. E, também, exemplos de como usar. Para descobrir a evolução deste Anprino, visiem a páguna Anprino Le Mans.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

III Congresso Nacional de Professores de Informática - ANPRI 20 Anos


Nos passados dias 1 e 2 de novembro, o desafio foi partilhar e aprender no III Congresso Nacional de Professores de Informática, em Santarém. O primeiro desafio foi logo dia 1, com a dinamização de um workshop sobre 3D... mas não impressão, nem modelação tradicional.



O foco esteve nos dispositivos móveis, sempre tão demonizados nas escolas. Mas, e porque não retirar partido do seu uso? Para que as crianças percebam, mais cedo, do potencial dos dispositivos móveis como ferramentas de trabalho e expressão (porque se irão aperceber disso eventualmente, e teremos nós, professores, feito bem o nosso trabalho se os nossos alunos apenas fizerem essas descobertas fora do contexto da escola?); para colmatar as cada vez mais gritantes falhas do parque informático nas escolas, que já ultrapassou os mais impensáveis níveis de obsolescência; e, essencialmente, porque na inexorável marcha da evolução tecnológica, a mobilidade da computação é a tendência dominante.


Para mostrar o que se pode fazer já, hoje, com simples e baratos tablets Android, os formandos aprenderam os elementos de modelação em 3DC.io e Onshape - essencialmente, os dois grandes limites do 3D, a modelação por primitivos e o CAD.


Pelo meio, ainda deu para contar a história do Carocha da esposa de Ivan Sutherland, e da seminal contribuição deste para a computação gráfica.


Coisas que acontecem: ajudar a meter dois anprinos a dançar o Fandango. Só mesmo o Luís Dourado para me meter nestas coisas.


Outro dos desafios: fazer o main engine start do concurso 3Digital 2019-2020. Começando por recordar a excelência do trabalho dos professores de TIC que se atreveram a participar, especialmente tendo em conta as condições agrestes em que trabalhamos (material obsoleto, excesso de turmas e falta de tempo) e apreciar o enorme talento dos seus alunos. Tema para esta segunda edição, transportes, da junta de bois ao foguetão, da caravela ao Airbus da SATA (um pedido especial dos Açores, e aproveita-se para recordar o futuro porto espacial de Santa Maria.).


Se estamos por Santarém, um café e um pampilho são prazeres obrigatórios. Especialmente a acompanhar a programação de algumas novidades Anprino.


Que o papá Luís Dourado me ensinou a programar. O Anprino já tem luzes!



Anprinos e outros artefactos em exposição.


Evoluções do Anprino: um Nano capaz de autonomia no movimento.


LEDs e servos, a novidade no Anprino. Pequenas peças para expandir as capacidades do robot.

Participar nestes eventos é sempre uma excelente experiência de aprendizagem. O melhor é escutar, perceber o que os nossos colegas sentem e fazem nos seus territórios de intervenção. Partilhar o que sabemos só faz sentido se for significativo para os outros, e temos tido a sorte de o ser.  Um dos sinais de dinamismo e maturidade da ANPRI é a forma como ouve, e desafia, pessoas de outras áreas a partilhar experiências que enriquecem, globalmente, a evolução do ensino de TIC em portugal. Sabemos que os desafios são muitos, as dificuldades também, e estes momentos de partilha dão força para continuar.

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Instantes LCD






Comecemos por Roma. Os alunos veteranos do clube quiseram criar trabalhos especificamente para serem levados à Maker Faire. Levámos alguns micro:bits programados, jogos de computador e modelos 3D especialmente criados pelos alunos do clube.


Este ano, temos muitos alunos no clube que estão a revelar talentos artísticos no 3D.


E, quando se pode, trabalha-se nalgumas novidades para o Anprino.


Entretanto, no clube, trabalhamos em duas vertentes: projetos abrangentes...


E introdução aos novos alunos.


Trouxemos de Roma um kit Varikabi, que os nossos alunos estão a tentar meter a funcionar.


Mais novidades para o Anprino.


Mais uma vez, os nossos alunos a mostrar o seu grande talento.


Novo projeto: imprimir planetas. Dá para fazer coisas como jogar pingpong com o planeta Marte no Centro de Recursos.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Instantes TIC


Início de ano com os alunos de sexto ano, primeira experiência com o BBC Micro:bit.


Primeiro passo, aprender a programar animações.


Para os quintos anos, o primeiro desafio foi experimentar programação unplugged com o CodyRoby.


Uma primeira aula que surpreendeu todos os alunos.


Aquela sensação de espanto quando o programa corre pela primeira vez.





Novamente com alunos de quinto ano, experimenta-se desenvolver uma Hour of Code.


Quando os computadores não são suficientes, ou avariam, os telemóveis e cabos OTG ajudam.


Final das primeiras experiências com o Micro:bit: criar um programa que meça temperaturas.

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Workshop Fórum Fantástico 2019


Está a tornar-se uma tradição, o desenvolver um workshop sobre impressão 3D no âmbito da programação do Fórum Fantástico. Este ano o tema foi Impressão 3D para jogos de tabuleiro, mas claro que esta tecnologia não se esgota em nichos.


A lista de participantes não prometia muito, tinha dois inscritos, o que até não surpreende. Numa convenção de literatura, banda desenhada e cultura fantástica, ir a workshops enquanto decorrem painéis (ainda por cima, sobre os vinte anos do filme Matrix) não é prioritário. Mas, para surpresa minha, a sala acolheu muitos mais, curiosos com o potencial desta tecnologia. A sessão decorreu em modo de conversa, não linear, com perguntas e respostas sobre o que é a impressão 3D, e o que se pode fazer com ela.


Logo a seguir, uma masterclass por um designer que, com o seu projeto Polygon Masterworks, se dedica a criar figuras para jogos de tabuleiro com impressão em resina.


Para além dos fantásticos trabalhos de 3D, fiquei a conhecer técnicas de impressão em resina. Uma tecnologia que requer imenso investimento e muitos cuidados para peças que, se tudo correr bem, são impressionantes ao nível do detalhe. Mas o preço quer das impressoras quer do material torna este tipo de impressão algo proibitiva para os meus contextos. Já o trabalho deste jovem designer ligado aos jogos e animação é fantástico.