quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Tecnologias de Impressão 3D: ESA Autumn Teachers Workshop


Um muito simpático investigador de materiais da ESA, demonstrando o potencial da impressão 3D comparando uma peça maquinada em CNC e outra impressa em titânio. Ambas cumprem a mesma função, com óbvias diferenças de gasto de material.

Suspeito que já esteja a atrair estas situações. A primeira atividade do ESA Autumn Teachers Workshop foi um quebra gelo onde tínhamos que nos apresentar, destacando um facto sobre a exploração espacial. Podia ter escolhido imensos, entre as pegadas dos astronautas no solo lunar, Korolev a rebentar foguetões, as primeiras imagens do nosso ponto azul. Optei por destacar a impressão 3D em órbita. A partir daí, fiquei marcado.


Numa das sessões de palestra com especialistas, talvez aquela que me tenha sido mais interessante, Malcolm Davidson, especialista em materiais da ESA, veio-nos falar da complexidade dos materiais utilizados na exploração espacial. De uma forma especialmente divertida, uma vez que a vertente favorita da sua área de especialidade é analisar tudo o que pode correr mal. Encontrar a falha no material mais exótico. Numa apresentação muito prática, deu-nos exemplos concretos dos materiais avançados utilizados pela ESA na exploração espacial. Entre os quais exemplos de materiais impressos em 3D em titânio com técnicas de SLM (selective laser melting)


Um dos exemplos era uma malha de elos em titânio, saída diretamente da impressora. Outro um mecanismo de manípulo de bicicleta, e esferas ocas de titânio.


Talvez o exemplo mais extraordinário que nos foi mostrado na sessão foi este bloco incerto de matéria. Representa os resultados da investigação do ESTEC no desenvolvimento de técnicas e materiais de impressão 3D. Este bloco foi impresso em regolito lunar (em bom rigor, um material com a mesma composição, porque trazer poeira lunar não é por enquanto muito prático). O conceito investigado é o de enviar impressoras 3D para a superfície lunar, imprimindo abrigos para astronautas a partir do solo lunar. Algo que francamente pensava existir apenas em conceito, foi já testado à escala real.


O evento culminou com uma visita ao ESTEC, que já detalhei anteriormente. Entre as muitas boas surpresas da visita, deparar com esta impressora 3D nos espaços de exposição. Uma HelloBEEPrusa, da BEEVVERYCREATIVE. Impossível não sentir uma pontinha de orgulho ao deparar-me com este exemplo do melhor que temos a oferecer no domínio da tecnologia, escolhida pelos investigadores da ESA para demonstrar a impressão 3D FFF.



A zona dedicada aos materiais impressos em 3D estava repleta de exemplos de objectos, comparando modelos fabricados com técnicas industriais com impressos em titânio. Em evidência os ganhos de leveza, resistência e poupança de materiais.


As tecnologias avançadas de impressão 3D permitem criar peças como esta. Leves, esbeltas, arriscando novas configurações de forma, mais resistentes do que as maquinadas em fabricação convencional, com menor consumo de matéria prima. No dia aberto da ESTEC, havia muitos exemplos a mostrar o que é possível, hoje, com esta tecnologia. 


Para finalizar, recordam-se do bloco tipo pedregulho impresso em 3D com regolito lunar como material? Esta estrutura em favo foi impressa com o mesmo material, prova de conceito para a construção de futuras bases lunares.

Sem comentários:

Publicar um comentário