quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Dia Aberto IST


Aproveitar o Dia Aberto do Instituto Superior Técnico para dar aquela aula que nos contextos habituais só se pode dar recorrendo a vídeos e imagens: mostrar aos alunos robots, drones e outras aplicações de engenhar e tecnologia. Incentivar as CTEM (Ciênca, Tecnologia, Engenharia, Matemática) através da interacção com objectos concretos. Desafiar à descoberta daquele mundo tecnológico que a muitos dos alunos apenas chega de vislumbre pelo ecrã de televisão.

No Dia Aberto do IST foi possivel a duas turmas do Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro terem uma aula de TIC diferente, interagindo com estudantes do ensino superior que lhes mostraram algumas das potencialidades criativas da tecnologia. Algo que se constrói com criatividade e conhecimento, conforme se podia perceber pelos projectos ao dispor dos nossos alunos.

Só foi possível levar duas turmas. A actividade foi divulgada com muito pouco tempo disponível para organizar uma deslocação mais alargada. Foram selecciondas duas turmas, com alunos que curiosamente tenho vindo a acompanhar desde o quinto ano em EVT e TIC, e que têm revelado uma grande apetência por áreas complexas. De uma das turmas já nem sou professor, estão agora no nono ano, mas esta é a aula que eu lhes queria ter dado nos anos anteriores. Mas sublinhe-se, foram duas turmas agora. O IST é muito aberto a visitas de estudo aos seus espaços e laboratórios, o que significa que talvez seja possível repetir uma experiência destas com outras turmas. Mas desta vez com um pouco mais de tempo de preparação. Este post tem algumas fotos, mas a galeria (alojada na conta institucional do Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro) tem muitas mais: Dia Aberto IST.


Perseguidos por drones: é quase mágico. Estarão pendurados no ar por fios? Ao longo da manhã drones controlados por estudantes de engenharia deliciaram os visitantes.


Os Lego Mindstorms são uma excelente, apesar de um pouco cara, forma de trabalhar robótica com crianças e jovens. Em exposição estavam alguns robots Lego da First Lego League, que em Portugal tem dinamizado campeonatos de robótica com robots Lego Mindstorms.


A robótica mais avançada: investigadores do INESC trouxeram este simpático robot, pensado para dar às pessoas que com ele interagam a sensação que este as reconhece. O robot reagia aos sons, virando-se para onde detectava o input sonoro das vozes dos jogadores, aparentando conversar com eles. Com este robot o desafio era jogar contra ele numa superfície multitoque. Três humanos contra um robot. Quem terá ganho? Deixo-vos uma pista: o robot não teve uma tarefa fácil.


O Núcleo de Engenharia propôs aos alunos um desafio estimulante: construir uma catapulta a partir de um conjunto de objectos díspares: esfregões, palitos, elásticos, fita-cola, lápis, pratos de plástico e palhinhas de sumos.


Cada grupo trabalhou com muito afinco em busca da melhor solução. Os alunos de engenharia andavam por entre os participantes, a dar algumas dicas de melhora. Os professores estavam proibidos de ajudar. Não é que este professor fosse capaz de o fazer, mas enfim. Foi interessante ver quase todos os alunos interessados a tentar montar a sua catapulta. Os que não estavam lá estavam a jogar jogos de computador contra robots ou a soldar circuitos.


Uma das catapultas criadas pelos nossos alunos. Diga-se que a ideia foi excelente. Ver robots, drones e outros equipamentos é interessante, mas é muito mais interessante fazer e com esta actividade lúdica (mas muito séria) os alunos puderam exercitar a sua criatividade na procura de soluções para problemas de engenharia. Ah, já vos disse que não havia instruções nem receitas para aplicar? Teve de ser tudo inventado pelos grupos, no momento. E os nossos alunos estavam a sentir-se em desvantagem. Os nossos grupos estavam a competir contra alunos mais velhos do secundário. O que não os impediu de construir catapultas funcionais.

Pode ser difícil conceber o acto de soldar como algo que interesse a adolescentes, mas quando os resultados são quase imediatos o entusiasmo ganha asas. É o caso destas alunas, muito interessadas e soldar uma placa com leds e resistências que, ligada a uma pilha, começava a piscar. Recusaram-se a sair enquanto não tivessem terminado a soldadura.


E cá está ela, gentilmente oferecida pelos estudantes do IST às alunas que a montaram e soldaram. Suspeito que depois de uma experiência destas o investimento em open hardware com Arduino é um passo lógico.

Confesso que comecei o dia a medo. Não sabia bem o que esperar desta iniciativa. Na pior das hipóteses, pensei, é um espaço em aberto com algumas tecnologias em exposição. E quando lá chegámos, era realmente um espaço aberto com tecnologias expostas. Que, sendo tecnologias, não aparentavam ser a coisa mais completa e perfeita para exposição. A princípio incertos, curiosos mas sem saber bem o que encontrar, os alunos depressa encontraram nos desafios a dinâmica necessária para se interessarem. Terminaram a manhã deslumbrados. Foi muito fixe, stor! Temos mesmo que ir embora? Isto é espectacular! Como é que se vem para aqui estudar? Esta tem uma reposta menos fácil.

Num toque pessoal, o melhor comentário que me fizeram foi o das duas alunas que ficaram encantadas pelo soldar de um circuito digital. Está orgulhoso de nós, stor? Estou. Pelo entusiasmo, pela descoberta, pela alegria, por descobrirem algo de novo. E porque soldaram o circuito com muito cuidado para que ele funcionasse. Especialmente, pelo sorriso que tinham estampado no rosto enquanto meticulosamente seguravam no ferro de soldar para fixar os leds e resistências na placa.

Termino com um agradecimento às directoras de turma do 9.º C e 8.º A, professoras Maria José Oliveira e Eulália Dias, à organização do evento no IST, mas em especial aos alunos. São eles que motivam, cujo entusiasmo dá vontade de tentar ir mais além. É difícil conceber uma forma mais agradável de estar numa manhã de aulas.

Sem comentários:

Publicar um comentário